Marcio Cordero e Monica Alexandre Santos participam de audiência pública promovida pelo Saerj

Marcio Cordero e Monica Alexandre Santos participam de audiência pública promovida pelo Saerj

Nesta sexta-feira, 23 de abril, os advogados do escritório AJS Cortez & Advogados Associados, Marcio Cordero e Monica Alexandre Santos, participaram de uma audiência pública virtual sobre A necessidade de regulamentação da advocacia de correspondência, promovida pelo Sindicato dos Advogados do Estado do Rio de Janeiro (Saerj).

A audiência pública foi transmitida pelo canal da entidade sindical no YouTube e tratou das dificuldades enfrentadas pelos advogados correspondentes, também conhecidos como audiencistas.

Márcio Cordero representou o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), onde é membro da Comissão de Direito do Trabalho. O advogado da AJS disse que “as convenções coletivas têm que garantir que os benefícios sejam aplicados a todos os trabalhadores, independentemente do regime de trabalho, pois, do contrário, depois que deixa a empresa – e isto também serve para o advogado correspondente contratado por um escritório – o funcionário aciona a Justiça para cobrar tudo que não recebeu nos últimos cinco anos de serviços prestados, como, por exemplo, vale refeição ou adicional por tempo de serviço”.

Além dos advogados, participaram da audiência pública, o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ), João Batista Berthier; as procuradoras Guadalupe Couto e Isabela Miranda, integrantes do Núcleo de Combate às Fraudes nas Relações de Trabalho do MPT-RJ; o secretário-geral da OAB/RJ, Álvaro Quintão; a presidente da Comissão da Advocacia Correspondente da OAB/RJ, Flávia Vanderley; os presidentes da Associação Fluminense de Advogados Trabalhistas (Afat), César Dória, e do Instituto Brasileiro de Pequenos Escritórios de Advocacia (Ibpea), Tiago de Mello; as vice-presidentes da Associação Fluminense de Advogados Trabalhistas (Afat), Cristina Targino, e da Associação Carioca de Advogados Trabalhistas (Acat), Mônica Alexandre Santos, e a integrante da Comissão da Justiça do Trabalho da OAB/RJ Telma Melo.

*Com informações do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *